quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

SECRETÁRIO MARCELO FOGE MAIS UMA VEZ DO DEBATE PÚBLICO E NÃO COMPARECE À CÂMARA!









Hoje, mais uma vez o secretário de educação, Marcelo Ferreira, fugiu da sua obrigação em prestar esclarecimentos públicos sobre as suas ações arbitrárias enquanto secretário. Mais uma vez ele não compareceu à uma convocação da Câmara Municipal, demonstrando o desrespeito com a população goianiense.


As galerias estavam lotadas pelos estudantes da Escola Municipal Deusaydes, que teve o ciclo 3 fechado de forma autoritária. Vários profissionais da educação também estiveram presentes, entre professores de área, pedagogos, administrativos, auxiliares e aprovados, todos esperando o secretário para cobrar os direitos dos trabalhadores e denunciarem a falta de democracia na Rede Municipal.             


A tribuna livre contou com a intervenção de uma estudante, de uma mãe de estudante e um professor, que denunciaram o fechamento do ciclo 3 e a forma precária que está ocorrendo a implantação da pré-escola na rede municipal. Foi exigido um posicionamento da Câmara Municipal.

Também estiveram presentes nessa atividade algumas mães de um CMEI, que estavam indignadas com o fato dessas instituições, particularmente aquela em que os filhos delas estão matriculados, deixarão de ser integral e terão um atendimento parcial, prejudicando um direito das crianças.  
                 
Mesmo com o desrespeito do secretário de educação em não comparecer, foi muito importante a presença dos trabalhadores da Rede Municipal e dos estudantes, pois foi dado o recado que não farão mais nenhum golpe sem resistência. Particularmente a Escola Deusaydes tem demonstrado exemplo de luta quando toda a comunidade se uniu em busca dos seus direitos. Que esse seja o nosso farol, resistir a todas as formas de opressão. É hora de luta e não de conformismo.


Veja também esse vídeo publicado pelo Goiás Real. 

 

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

CONTESTAÇÃO JUDICIAL DA PREFEITURA DEMONSTRA QUE NÃO QUEREM PAGAR O ADICIONAL DE 30% PARA OS NOVOS AUXILIARES!




SECRETÁRIO MARCELO VAI À CÂMARA AMANHÃ! TEMOS QUE PROTESTAR!



Amanhã, quinta-feira, dia 07/12, às 9h da manhã, o secretário municipal de educação, Marcelo Ferreira, foi convocado pela Câmara Municipal de vereadores para dar explicações sobre o fechamento de turmas do ciclo 3 em várias escolas de Goiânia. Tudo isso para não ter que construir novos Cmeis e improvisar as turmas da educação infantil em escolas que não possuem as mínimas condições de atender essa modalidade de ensino. Esse vai ser um importante momento para cobrar a data-base, os 30%, cobrar o cumprimento do recesso dos administrativos, entre outras pautas de luta.

Temos que lotar a Câmara Municipal nesse dia para cobrar do secretário explicações não apenas desse absurdo, mas do verdadeiro caos e estado de calamidade que se encontra a rede municipal de educação. Convidamos principalmente as pessoas que trabalham no vespertino para comparecerem nessa atividade.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

ABAIXO A CONTRARREFORMA DA PREVIDÊNCIA!



A cada dia as coisas ficam mais claras em nosso país. Nós, trabalhadores, estamos sob um intenso ataque por parte das classes dominantes e do imperialismo, que nesse momento, de crise estrutural de todo o sistema, busca aumentar ainda mais a sua exploração sobre todos nós.


O governo Temer, como lacaio do grande capital, representa os interesses mais reacionários contra os trabalhadores e pretende aprovar a Contrarreforma da Previdência o mais rápido possível. Porém, não conseguiu cumprir o calendário que havia planejado. Rodrigo Maia, pretendia colocar na pauta da Câmara no próximo dia 06/12, mas como o governo ainda não conseguiu a maioria de votos dos deputados e o Congresso está próximo do recesso parlamentar, resolveram adiar a votação da contrarreforma previdenciária para investir em outras ações de interesse das classes dominantes antes do recesso. Entre essas ações prioritárias estão a isenção fiscal de 3 Trilhões para as petrolíferas e a aprovação do orçamento do próximo ano, que muito interessa a vários sangue sugas.


Esse adiamento da votação da contrarreforma previdenciária não significa um recuo do governo Temer. Ao contrário, estão investindo muito para enganar a população. Eles estão gastando milhões de dinheiro público em propagandas que espalham mentiras entre a população, propagandas tão tacanhas que foram proibidas pelo próprio sistema judiciário, que não é nada neutro. Ele continua com a prática da compra de deputados e distribui os ministérios de maneira promíscua e escancarada. Tudo para conseguir o apoio necessário para a aprovação da Contrarreforma Previdenciária e satisfazer os “mercados”.


Mesmo com essa situação preocupante, a maioria das centrais sindicais, como CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB, cancelaram a greve nacional convocada para o próximo dia 05 de dezembro, próxima terça-feira, por meio de uma nota assinada conjuntamente entre elas. No dia 24 de novembro essas mesmas centrais haviam convocado a greve nacional e um dia depois de uma reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, recuaram com a fraca alegação de que tomaram tal decisão “após o cancelamento da votação no dia 06”. O governo não recuou nenhum milímetro em seus intentos, mas as centrais recuaram e ajudaram na desarticulação do movimento do dia 05.


Para justificar a sua traição, a maior parte das centrais mantiveram os atos marcados no dia 05 de dezembro, mas não colocaram força nenhuma em mobilizar a classe trabalhadora e jogaram água fria para desmobilizar o movimento. Mesmo com essa sabotagem descarada realizada pela maioria das centrais sindicais, o momento é de luta e não de conformismo.

A próxima terça-feira precisa ser um dia de luta da classe trabalhadora. É necessário que todos nós saiamos às ruas para denunciar toda a situação política e econômica do país. É urgente iniciarmos uma jornada de lutas para unir os trabalhadores no combate às contrarreformas do imperialismo. Temos que construir um movimento para além daqueles que tentam amarrar a radicalização da luta dos trabalhadores e querem nos colocar em uma camisa de força. Precisamos construir uma greve geral, não apenas de um dia, mas uma greve de vários dias, para que os trabalhadores mobilizados possam atrair mais categorias profissionais e aumentar ainda mais a resistência popular. Não podemos perder tempo, temos muito trabalho a fazer se quisermos barrar a contrarreforma da previdência e revogar a contrarreforma trabalhista.


O SIMSED vai estar presente na manifestação que ocorrerá na Praça do Bandeirante no dia 05/12, às 9 horas, mesmo com a traição das centrais. Nesse ato estarão presentes trabalhadores de várias categorias. É  importante a presença  dos trabalhadores da educação, para articular com as demais categorias a construção de uma greve geral de verdade!


ABAIXO A CONTRARREFORMA DA PREVIDÊNCIA!
ABAIXO A TRAIÇÃO DAS  CENTRAIS SINDICAIS A GREVE NACIONAL!

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

SECRETÁRIO MARCELO REDUZ ILEGALMENTE A DEMOCRACIA NA ELEIÇÃO DE COORDENADORES PARA FORTALECER A POLITICAGEM!




O Sindicato Municipal dos Servidores Municipais da Educação de Goiânia – SIMSED – vem denunciar graves abusos cometidos pelo secretário de educação Marcelo Ferreira.


No dia 14 de novembro de 2017 chegou um ofício (nº 29) nas instituições escolares da rede municipal que causou bastante espanto aos servidores públicos, particularmente por seus aspectos antidemocráticos.
Torna-se necessário discutir inicialmente um fato intrigante sobre a legalidade do ofício 29. Esse documento possui o mesmo caráter das Diretrizes da Educação Municipal de Goiânia, documento aprovado pelo Conselho Municipal de Educação no ano de 2014 e com validade de três anos. Mesmo sem a aprovação de uma nova Diretriz, o secretário de educação enviou esse ofício para regulamentar uma série de questões previstas na antiga diretriz, gerando uma contradição entre os dois documentos e devido a sua não aprovação pelo Conselho Municipal de Educação, a legalidade do ato da administração pública deve ser questionado.


O aspecto mais questionável é o da limitação da democracia e o retorno das indicações políticas na educação municipal. O ofício 29 limita o direito de eleição dos coordenadores pedagógicos. A partir de tal documento, os profissionais escolherão dois professores para exercer a função de coordenador pedagógico e depois o diretor escolherá ou não um dos dois profissionais para exercer o cargo. O diretor e um funcionário da Secretaria selecionarão os profissionais da educação e se caso nenhum dos dois for selecionados, a própria secretaria indicará uma pessoa para ocupar o cargo e que não necessariamente será um profissional da instituição.


Quais são os critérios de avaliação da SME e dos diretores para a escolha dos coordenadores pedagógicos? O melhor currículo? O maior tempo e experiência na rede municipal? Não! Os critérios não foram informados pelo ofício 29, sendo apenas definidos subjetivamente de acordo com os interesses imediatos dos diretores e da secretaria de educação, limitando a autonomia dos coletivos educacionais e retornando ao período da indicação política.


Essa foi a prática adotada pela SME na escolha dos novos coordenadores. Em várias escolas o grupo elegeu um profissional para a coordenação e o diretor e a SME não aceitaram o resultado da votação, sem ao menos justificar com argumentos coerentes a não escolha do profissional eleito pelo grupo. Em outras instituições, o grupo elegeu um profissional para a coordenação e a direção escolheu o segundo candidato, mesmo sem experiência pedagógica desse profissional, pois existiram pessoas escolhidas que ainda estão no estágio probatório e desconhecem as particularidades da rede municipal, sendo escolhido apenas por relações de amizade ou interesse político com a SME e o diretor das escolas.



Esse posicionamento da SME, além de imoral, está em completa contradição com a legislação educacional vigente. A Constituição Federal, em seu artigo 206, declara que o ensino tem que ser regido de forma democrática. Da mesma forma, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação reafirma esse critério fundamental:


Às unidades escolares públicas de educação básica que os integram, progressivos graus de autonomia pedagógica, administrativa e financeira, observadas as normas gerais de direito financeiro público” (LDB – Art 15).


Como vemos, a LDB prevê a autonomia pedagógica e a constituição garante a gestão democrática no ensino e demonstram a completa contradição e ilegalidade do secretário de educação ao limitar a eleição para coordenadores a um filtro da indicação política.


Para demonstrar a clara ilegalidade do secretário de educação temos que citar a Lei Orgânica do Município de Goiânia, que teve a sua última atualização em 05/07/17, ou seja, na gestão atual. Os seus princípios democráticos não foram revogados nessa última atualização, demonstrando que a atitude do secretário não possui respaldo legal.
Vejamos agora alguns artigos da Lei Orgânica do Município que demonstram a ilegalidade do secretário de educação. Em seu artigo 1 afirma que é necessário respeitar a “democracia como valor universal”. Em seu artigo 12 declara: “zelar pela guarda da Constituição Federal e Estadual, da Lei Orgânica, das leis e as instituições democráticas e conservar o patrimônio público”. Em seu artigo 48 afirma:


Art. 48 - O planejamento municipal deverá orientar-se pelos seguintes princípios básicos: I - democracia e transparência no acesso às informações disponíveis;


Na sessão específica sobre a educação, o mesmo documento afirma:


SEÇÃO I
DA EDUCAÇÃO
Art. 235 - A educação, direito de todos, é um dever do Município e será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, baseada nos princípios da democracia, da liberdade de expressão, da solidariedade e do respeito aos direitos humanos, visando constituir-se em instrumento de desenvolvimento da capacidade de elaboração e de reflexão crítica da realidade.


Em seu artigo 236:


Art. 236 - O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
 VI - gestão democrática do ensino, garantida a participação de representantes da comunidade;


No seu artigo 253:


SUBSEÇÃO IV
DA GESTÃO DEMOCRÁTICA
Art. 253 - As escolas públicas desenvolverão suas atividades de ensino dentro do espírito democrático e participativo, assegurando a participação da comunidade na discussão e implantação da proposta pedagógica.
§ 2º - É assegurada a participação de professores, funcionários, pais e estudantes na gestão democrática das escolas públicas.


Vemos através da Constituição Federal, da LDB e da Lei Orgânica do Município de Goiânia, que o secretário de educação, Marcelo Ferreira, incorre em ilegalidade ao acabar com a eleição para coordenadores, transformando-a em um mero instrumento dos seus interesses políticos.


 Por esse motivo, pedimos que todos os trabalhadores lutem contra mais esse absurdo, pois viola os princípios democráticos e retrocede o sistema de ensino para práticas ultrapassadas de indicações políticas.

ATO NO ANIVERSÁRIO DO IMAS!


No dia 22 de novembro de 2017 ocorreu um ato dos trabalhadores da educação na sede do IMAS.

O protesto foi motivado pela iniciativa do presidente do IMAS, Sebastião Peixoto, em realizar uma festa de aniversário do Instituto com a presença do prefeito Iris Rezende, mesmo com a situação absurda sofrida pelos usuários.

A suposta presença do prefeito nessa atividade, fez com que os servidores levassem outras reivindicações: pagamento da data-base;  pagamento dos 30% dos auxiliares; convocação dos aprovados; além de democracia na rede, motivada pelas últimas manobras da SME na eleição para coordenadores pedagógicos.

O prefeito Iris Rezende não compareceu, provavelmente depois que ficou sabendo do protesto. Também não aconteceu a festa demagógica promovida por Sebastião Peixoto.

Com a presença dos manifestantes na porta do IMAS, Sebastião Peixoto saiu para fora com a sua habitual arrogância e desacatou os trabalhadores. Também falou para a imprensa que não existia motivos para a manifestação e que a maioria dos servidores estão satisfeitos com a sua gestão, pois se tivessem insatisfeitos a porta do IMAS estaria cheia de manifestantes.

Sebastião Peixoto, atual Presidente do IMAS, foi um dos responsáveis pela atual crise do instituto.  Indicado pelo Prefeito Íris, também geriu durante o governo de Paulo Garcia, onde teve as suas contas rejeitadas pelo Ministério Público de Contas e Tribunal de Contas, além de estar sendo processado por desvios de recursos do Mutirama. Peixoto também é ex-presidente do sindiposto e atualmente faz parte da diretoria que está sendo acusada pelo Procon e justiça por formação de um cartel na cidade. Ele é pai do vereador Welington Peixoto, também acusado de desvios de verbas do Mutirama.

O instituto não têm oferecido as mínimas condições para a população e servidores do município, crianças sem atendimento com pediatria e laboratórios sem condições para oferecer exames mínimos, como o de sangue.

A Sede gigante do IMAS, conforme pode ser verificado nas fotos, localizado no centro, na avenida Paranaiba, tem um gasto fixo mensal de aluguel no valor de 45 mil reais. Ao invés de remanejar o órgão para o Paço Municipal, com sede própria, onde economizaria esse dinheiro público, mantém esse prédio faraônico.

Sebastião Peixoto é um dos coveiros do IMAS e um dos principais responsáveis por sua situação caótica.



segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Vamos à luta! 22/11/17 quarta-feira! Ato no aniversário do Imas!

Horário: 8:30 h

Pauta: * contra a precariedade do plano
* exigir 30% auxiliares
* exigir data base
* contra ofício n° 29
Local: Av. Paranaíba sede Imas

O prefeito Íris Rezende estará presente.

sábado, 18 de novembro de 2017

ATO EM DEFESA DO SERVIDOR PÚBLICO! 22.11.17


O SIMSED convida todos os trabalhadores da REDE Municipal de Educação para um ato no dia 22 de novembro.

Nesse dia acontecerá uma festa de aniversário do IMAS, que contará com a presença do prefeito de Goiânia, Iris Rezende.

Estaremos cobrando melhorias para o IMAS, o pagamento da data-base,  o cumprimento da gratificação de 30% para os novos auxiliares, contra as novas regras para o preenchimento dos módulos de 2018, convocação dos aprovados no último concurso e o respeito aos trabalhadores.

É muito importante a presença de todas e todos. Não podemos aceitar calados tudo o que está acontecendo.

Data: 22/11/ 17 quarta-feira
Local: IMAS
Horário: 8:30 h

ATIVIDADE DE DOMINGO 19.11.17



BAZAR : Salão Paroquial da Igreja Nossa Senhora Rainha da Paz

Rua U 54, n. 104 Vila União.


Horário: 8:00 h às 11:30 h

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

CONTRA O OFÍCIO CIRCULAR 29 (Orientações para o preenchimento dos módulos 2018)!


Mais uma vez o secretário Marcelo Ferreira demonstra o seu autoritarismo e sua concepção retrógrada sobre a educação pública, que são expressos no ofício CIRCULAR 29.

Ocorre que a SME está elaborando na surdina e às portas fechadas as novas diretrizes de organização pedagógica da educação municipal, mas essa ainda não foi aprovada e já chegaram orientações para o preenchimento dos módulos de 2018. 


Os trabalhadores da educação não foram chamados pra nenhuma discussão a respeito e muito menos para participar da sua elaboração.

Acreditamos e já estamos presenciado com tal Circular, que essa atitude da SME foi tomada para  retirarem os poucos diretos que ainda nos restam. Não podemos  aceitar conversas veladas apenas com sindicatos que acordam com a SME.


O SIMSED foi à Câmara Municipal no dia 09 de novembro e cobrou dos vereadores um posicionamento sobre as diretrizes para o próximo ano, dentre muitas outras reivindicações, afirmando que não há debate com a comunidade escolar.


Esse documento representa um verdadeiro retrocesso. Entre os pontos, reduz a quantidade de professores de educação física e inglês nas escolas, fato que é prejudicial aos estudantes e comprometerá o planejamento e consequentemente a qualidade da educação municipal.


Além do mais, o documento acaba com o direito dos coletivos elegerem os coordenadores pedagógicos, estabelecendo o total controle pela secretaria da parte pedagógica. Agora o critério de escolha é político e não técnico ou democrático. 


Demonstrando uma total má fé, o ofício informa que em todos as modulações, "NUNCA SE ESCREVA A PALAVRA DEFICIT", com o claro objetivo de ocultar os déficits da rede e não convocar mais os aprovados do último concurso.


A situação caótica só está crescendo com o fechamento do ciclo 3 em várias escolas e cmeis, que estão deixando de atender integralmente e passando ao modelo parcial, prejudicando várias crianças e gerando grande quantidade de professores excedentes.


O objetivo do secretário é não chamar mais nenhum aprovado no último concurso e para isso precisa adotar essas manobras rasteiras que vão comprometer a qualidade da educação municipal. 

Essa se nega a realizar qualquer tipo de discussão pública para ouvir os trabalhadores e a comunidade, como tentativa de impedir qualquer resistência. 

Temos que agir. O SIMSED convida todos os trabalhadores para um ato no dia 22 de novembro, com início no IMAS às 8:30 h e logo em seguida iremos à SME. Esse é um ato contra as mudanças na organização da rede e em repúdio a todo autoritarismo presente nesse processo. 

Todos e todas que estiverem indignados com essa atitude arbitrária, compareça para lutar por seus direitos!

Ato de repúdio à formulação antidemocrática das novas diretrizes e cobrança da participação dos trabalhadores para tal feito.

Dia: 22.11.17 quarta-feira 
Local: sede do IMAS (Av. Paranaíba, em frente ao Estádio Olímpico).
Horário: 8:30 h.

É hora de luta dos trabalhadores.

sábado, 4 de novembro de 2017

ATENÇÃO APROVADOS! TODO(A)S À CÂMARA DIA 9.11.17 PARA PRESSIONAR PELA CONVOCAÇÃO

ATO NA CÂMARA 
ATENÇÃO TODOS (AS) APROVADOS(AS) À CÂMARA  PARA EXIGIR POSICIONAMENTO DOS VEREADORES!

Convocação já!
Dia: 09.11.2017 quinta - feira 
Horário: 8 h 

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

ATO NA CÂMARA MUNICIPAL 9.11.17

Pauta:
* Exigir os 30% das auxiliares  e a data base dos administrativos
* Cobrar  a divulgação das Novas Diretrizes

Dia: 09/11/17 quinta - feira

Horário: 8 h

Local: Câmara Municipal de Goiânia

domingo, 22 de outubro de 2017

SHOW DO ZÉ RAMALHO 28.10.17 COM DESCONTO!

Simsed faz parceria para você!
 Desconto de 50% no show Zé Ramalho dia 28/10/17 basta apresentar a carteirinha de associado/ ou contracheque juntamente com o ingresso impresso.
 Compre pelo link: www.naoperco.com sem nenhuma taxa.
 Aproveitem  e compre até 4 ingressos com descontos de 50%.
 Você não ficar fora dessa ou vai??


sexta-feira, 13 de outubro de 2017

ATIVIDADE DE DOMINGO 15.10.17 BAZAR

ATIVIDADE DE DOMINGO 15.10.17

BAZAR : Salão Paroquial da Igreja Nossa Senhora Rainha da Paz

Rua U 54, n. 104 Vila União.


Horário: 8:00 h às 11:30 h

ATO COM PANFLETAGEM NO DIA 24.10.17

Dia: 24/10/17 terça-feira
Horário: 8 h
Local: Av. 24 de Outubro, ST. Campinas
Ponto de encontro: em frente ao palanque

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

INFORME DA REUNIÃO DO SIMSED 7.10.17


O SIMSED realizou uma reunião no dia 07 de outubro na Faculdade de Educação da UFG. Essa reunião foi muito importante, pois discutiu questões essenciais para a continuidade da luta.


A reunião iniciou com uma avaliação sobre o ato na Câmara Municipal, aprofundando sobre os seus aspectos positivos e negativos. Depois foi discutido sobre a resistência dos trabalhadores e futuras ações.


As resoluções da reunião foram as seguintes:

1. Organizar um ato com panfletagem no desfile do dia 24 de outubro cobrando a data-base, os 30% dos auxiliares e outras demandas dos trabalhadores;

2. Organizar um novo ato de administrativos e auxiliares e sobre as novas Diretrizes, na Câmara Municipal no dia 09 de novembro;

3. Organizar um abaixo assinado virtual “Fora Sebastião Peixoto do IMAS”;

4. Organizar um debate sobre a BNCC e o Escola Sem Mordaça;

5. Organizar um bazar no próximo domingo, dia 15;

6. Realizar um ato no IMAS até o final do mês, com horário a ser definido;

7. Estimular as instituições a soltarem panfletos e colocarem carros de som rodando as comunidades denunciando a situação precária das instituições;

8. Organizar as secretarias do SIMSED.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

NOTA DE REPÚDIO À SME, CME, SINDICATOS PELEGOS E CONDIR, DEVIDO A FALTA DE DEMOCRACIA NA DISCUSSÃO SOBRE AS ELEIÇÕES PARA DIRETORES!









Amanhã, dia 10 de outubro, o Conselho Municipal de Educação – CME, vai se reunir às 8 h para aprovar o novo regimento que regulamenta as próximas eleições para diretores.

Alguém estava sabendo dessa reunião? Esse processo foi democrático, com audiências e escuta da comunidade escolar e goianiense? Ou está sendo construída mais uma farsa para impedir o debate público e acomodar os interesses escusos do secretário e prefeito?

Infelizmente não! A atual gestão Iris/Marcelo demostra o seu autoritarismo e que toma as suas decisões e ações por meio de manobras rasteiras, com o intuito de evitar o amplo debate e participação de todos os interessados nos rumos da educação do Município de Goiânia.

Eles não estão sozinhos nessa manobras antidemocráticas, conta com a conivência dos sindicatos pelegos (Sintrego e Sindigoiânia), do Conselho de Diretores – CONDIR, e da maioria dos conselheiros do CME. Inclusive existe um conselheiro que se diz representante dos pais e  é apoio de uma Coordenadoria Regional  (antiga URE), que tem prestado mais um papel de capitão do mato, não cumprindo o papel de representantes dos pais e sim de cordeiro da SME. Esses atores, mesmo com acesso antecipadamente ao documento, não o tornaram público, impedindo com isso o conhecimento de seu conteúdo.



Em resumo, amanhã vai ocorrer essa reunião do Conselho Municipal de Educação - CME, sem a participação e amplo debate com a comunidade escolar. Com essa manobra de aprovar as novas regras eleitorais sem um amplo debate, vai impedir o questionamento e permitir que aberrações sejam aprovadas. A única parte que divulgaram do documento, reza que os futuros candidatos que possuem dois contratos terão que se licenciar de um ou modular o outro cargo em outra função, o que é um fato polêmico e questionável. Mas infelizmente, todo o conteúdo restante é um mistério. Essa é mais uma demonstração da forma padrão adotada pelo CME e pelo Estado sobre as questões educacionais.

O SIMSED vem repudiar mais essa ação da SME em conluio com a maioria dos conselheiros do CME, com os sindicatos pelegos e com o CONDIR, que trataram uma questão tão séria e importante como segredo de Estado e não permitiram o amplo debate.

Amanhã, a farsa está armada e os conselheiros irão aprovar todos os anseios da SME como cordeiros e verdadeiros funcionários do prefeito. Depois de aprovado, provavelmente divulgarão e teremos acesso ao documento e poderemos analisa-lo para entender o motivo de tanto segredo, conluio e manobras.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

REUNIÃO DO SIMSED 07.10.17

Dia: 07/10/17 sábado 14 h

1. Ataques do prefeito e resistência dos trabalhadores.
2. Data-base dos administrativos.
3. Auxílio de 30% dos auxiliares.
4. Balanço do ato de quinta-feira.
5. IMAS,
6. Organização do Simsed.

Local: Faculdade de Educação Ufg.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

NOVO ENDEREÇO ASSESSORIA JURÍDICA - ABRAPO

SIMSED juntamente com a ABRAPO comunica aos servidores da educação do município a mudança de endereço do escritório para melhor atender as demandas da educação, agora em um local de fácil acesso para todos. 

Avenida F nº 839. qd J, lt 09. sala 01, 2º andar. Setor Água Branca. Goiânia - Go. 

Atravessando a rua entre o Fórum Cível e Shopping Lozandes (prox à BR 153).


AÇÃO CONTRA O CORTE DE PONTO DA GREVE: PREFEITURA PERDE MAIS UMA VEZ NA JUSTIÇA


Depois do covarde corte de ponto realizado pelo secretário Marcelo Costa e pelo prefeito Iris Rezende, o SIMSED entrou na Justiça para contestar essa decisão arbitrária e injusta. O juiz determinou o pagamento de um salário mínimo para os trabalhadores, acatando o argumento de que o salário representa o sustento dos trabalhadores e das suas famílias.

O secretário de educação, Marcelo Costa, demonstrando que além de não cumprir várias leis, também não cumpre decisão judicial, não pagando nem mesmo o que a Justiça determinou. O SIMSED fez o comunicado ao juiz sobre o descumprimento da decisão judicial e, por ora, aguarda um posicionamento sobre a referida questão. Lembrando que tal processo apresenta um contínuo acompanhamento pelos advogados.

A prefeitura recorreu da decisão judicial e a desembargadora Nelma Branco Ferreira Perilo, que negou o recurso, no Agravo de Instrumento nº 5322217.57.2017.8.09.0000. Esta nova derrota judicial da prefeitura e do secretário é a demonstração cabal da abusividade e ilegalidade do corte de ponto dos trabalhadores em greve. Demonstrando, ainda, estar a Prefeitura e a Secretaria de Educação  baseados apenas no autoritarismo e perseguição política dos que estavam na luta.

A grande pergunta que fica: será que mesmo perdendo novamente na Justiça a prefeitura vai continuar a descumprir a decisão judicial?