sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

MEMBRO DO DESNEURALIZADOR E COMPANHEIRO DO SIMSED É PRESO POLÍTICO EM GOIÁS!


Toda solidariedade ao companheiro Gabriel Cunha Vilela que está preso em pleno aniversário sob acusações falaciosas deste estado repressor ditatorial maldito! Gabriel foi preso por estar presente e filmando a manifestação na praça A na Quinta-feira, 26/02. Abaixo a repressão e as prisões políticas e a arbitrárias! Liberdade ao Gabriel já!

DE ANTEMÃO, INFORMAMOS QUE DOMINGO AGORA, DIA 01/03 AS 15:00, NA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UFG, ACONTECERÁ UMA REUNIÃO ABERTA DA FRENTE DE LUTA CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DAS MANIFESTAÇÕES EM GOIÁS E PELA CONSTRUÇÃO DA LUTA PELO TRANSPORTE.

Nesta, além de questões relacionadas a luta pelo transporte, será discutido o que fazer diante da prisão do estudante de Jornalismo e produtor de vídeos independentes do Desneuralizador Gabriel Cunha Vilela e outras três pessoas. Como sabem, Gabriel acompanhou todo o período de ocupação dos trabalhadores da educação na Câmara Municipal de Goiânia e fez a produção de um documentário sobre a greve de 2014. Além disso, sempre deu cobertura junto com a equipe do Desneuralizador a manifestações populares, ocupações e protestos mostrando o lado da população, ignorado pela grande mídia golpista. Assim, convidamos para participar desta reunião os membros e apoiadores do SIMSED, os trabalhadores em educação de maneira geral, os movimentos sociais que se posicionam contra a criminalização das lutas sociais, movimentos estudantis e estudantes, e quem mais se sentir indignado com a criminalização, a repressão e, principalmente, com a censura! Liberdade já!

Segue a chamada da Frente de luta GO:

*** REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA E ABERTA DA FRENTE DE LUTA ***
Companheiros, Na ultima quinta feira, o companheiro GABRIEL VILELA fazia a cobertura da manifestação espontânea que acontecia no TERMINAL PRAÇA A para o canal DESNEURALIZADOR, onde trabalha, quando a polícia sem nenhum motivo aparente o abordou, verificando logo se o mesmo tinha passagem por algum crime, descontentes por não achar nenhuma acusação contra o abordado, a polícia mesmo sem motivos o prendeu como testemunha e o levou para a DRACO (delegacia de repressão a crimes organizados), logo depois a PM e PC acusaram o camarada de incitação a violência, depredação de patrimônio público e aliciação de menores, quando ele apenas estava trabalhando na cobertura da manifestação já que cursa jornalismo na UFG. O ato se deu de maneira espontânea por conta do preço absurdo da tarifa e por atrasos nas linhas de ônibus . O Gabriel junto a outras 3 pessoas, foram presos e levados a CPP, por esse motivo a FRENTE DE LUTAS decidiu chamar uma reunião para juntos debatermos meios para ajudar os companheiros pela a sua LIBERDADE, a reunião será tbm para organizar a manifestação que até então está sendo marcada para SEXTA FEIRA. ENTENDEMOS QUE ESSA É MAIS UMA TENTATIVA INÚTIL E SUJA DO ESTADO DE TENTAR NOS INTIMIDAR E MAIS UMA VEZ ACABAR COM A LUTA, MAS NÓS NÃO IREMOS RECUAR PERANTE A REPRESSÃO. Empresário, não tem vez , e a repressão também não !!!
O POVO PREPARA SUA REBELIÃO E ABRE UM NOVO TEMPO PARA A REVOLUÇÃO

SEGUE ABAIXO IMAGENS, NOTAS DE REPÚDIO, INFORMAÇÕES E DEPOIMENTOS SOBRE O OCORRIDO.


ENTENDA O QUE ACONTECEU:

De Desneuralizador: 

MANOBRAS REPRESSORAS EM GOIÂNIA

No dia 26 de fevereiro de 2015 o Terminal Praça A, em Campinas, amanheceu agitado pela insurreição popular. A população, revoltada com o novo preço abusivo da tarifa do transporte coletivo de Goiânia, além dos longos atrasos do mesmo, organizou de forma espontânea, sem nenhum tipo de organização de qualquer grupo, um protesto que fechou o terminal e interrompeu a circulação dos ônibus. O Praça A estava tomado pela revolta popular!
Não demorou muito e a Polícia Militar logo tomou o local, a observar e arquitetar ações para deslegitimar e desmobilizar o movimento popular.
Com o passar do tempo e disseminação do ocorrido, estudantes e outros trabalhadores chegavam ao local para apoiar a luta popular. Por volta das 11h00 o Desneuralizador chegou ao local e começou a filmar e reproduzir imagens, como de praxe.
Em seguida, a Polícia Militar orientou a retirada do ônibus da Metrobus (eixão) que estava parado no terminal desde cedo através da força popular. O ônibus foi retirado de maneira violenta, acelerando contra os manifestantes com a possibilidade iminente de um acidente. O ocorrido foi ordenado pela Polícia Militar, daí a truculência desenfreada.
A revolta popular se intensificou e um manifestante subiu no ônibus, em uma atitude de total revolta e inadmissão. O jovem foi rapidamente capturado pelas forças do Estado, agredido covardemente e posteriormente preso. Alcançado o pretexto desejado, a polícia agrediu e intimidou outros manifestantes, homens e mulheres, e prendou outros dois trabalhadores.
A grande mídia burguesa apoiava a ação da PM e não se cansava de manipular o ato, dando voz somente aos que criminalizavam e desaprovavam o protesto e ignorando os próprios manifestantes.
Posteriormente, um grupo se deslocou em direção à avenida Goiás, para dar continuidade a ação. Dois companheiros do Desneuralizador, que estavam presentes como em todo movimento social, registrando o ocorrido, se dispersaram do grupo em direção ao terminal Praça A novamente.
A polícia se aproveitou, de maneira covarde, do isolamento dos dois e os abordou. Vasculharam todos os pertences, bolsos, mochila e corpo. Puxaram todos os dados em busca de algum pretexto para detê-los. Sem encontrar nenhum pretexto para detê-los, os policiais decidiram conduzi-los à DRACO (Delegacia de Repressão ao Crime Organizado) sob a acusação de porte entorpecente. O fato de que esse tipo de acusação deve ser tratada na DENARC (Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos) não importou aos PM's. A delegacia escolhida já fazia parte de uma manobra estratégica, embasada em pretexto infundados.
Na DRACO, mais tarde, um deles foi liberado. Após um longo tempo de averiguação, o Delegado apresentou 4 acusações ao outro companheiro: corrupção de menores, danos ao patrimônio público, incitação ao crime e porte de entorpecente. O caso não é afiançável e a polícia insiste em mantê-lo preso sob tais acusações absurdas e infundadas.
Fica claro, a partir daí, que tudo não se passou de uma manobra do Estado para reprimir e criminalizar a luta em Goiás. Desta vez a repressão se deu através da CENSURA, procurando omitir a ação de uma mídia desmonopolizada, independente e democrática, que age pela causa dos oprimidos e divulga a realidade como tal, sem atender ao interesse de terceiros.
A repressão e criminalização da luta em Goiás NÃO PASSARÁ! Manobras absurdas e injustificadas, sem qualquer tipo de base e argumento não serão toleradas! LIBERDADE JÁ, PARA OS PRESOS DA LUTA POPULAR!
ATENÇÃO A TODOS!!!



De Jornal A Nova Democracia

DENÚNCIA: MAIS UM PRESO POLÍTICO, DESTA VEZ EM GOIÂNIA

Imagem e texto enviados por colaboradores de Goiânia.

"Ontem pela manhã, o estudante e jornalista independente Gabriel Vilela, do coletivo Desneuralizador, acabou sendo preso pela Polícia Militar depois que se dispersava de uma manifestação espontânea realizada em um terminal de Goiânia, realizada pela população revoltada com o alto preço das passagens e as péssimas condições do transporte. A polícia jogou em suas costas várias acusações descabidas, impedindo assim que pudesse ser estipulado uma fiança para a sua liberdade.
Apesar de tais acusações, sabe-se que o verdadeiro interesse do estado para com este companheiro é evitar a divulgação das manifestações feita pela mídia independente, que não manipula os fatos como faz a imprensa burguesa. Teme-se ainda que a polícia busque apreender varias gravações já realizadas pelo companheiro. Sua arma que atemoriza o estado é apenas sua câmera usada pra cobrir as manifestações populares.
O companheiro permanece preso mesmo com a falta de provas a respeito das acusações. Outros manifestantes também foram presos no mesmo ato.
A polícia goiana, tanto a civil quanto a militar vem desempenhando uma forte repressão na tentativa de barrar as manifestações populares. Mas a população da mostras que não se intimidará!
Liberdade já para Gabriel Cunha Vilela!
Liberdade para todos os presos políticos!"
 


ALGUNS DEPOIMENTOS E INFORMAÇÕES COLHIDAS NAS REDES SOCIAIS:


  • Criminalização dos Movimentos Sociais tem nova ofensiva em Goiânia:Nesta quinta feira (26/02), às 20 horas, próximo a praça cívica, 20 estudantes foram presos pela Polícia civil e conduzidos a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (DRACO), após participarem a manifestação contra o sistema de transporte coletivo, em especial o aumento da tarifa anunciado pelo governo. Estes estudantes são todos militantes do movimento estudantil, inclusive membros do Diretório Central dos Estudantes- DCE da UFG e de centros acadêmicos.A ação ilegal da polícia civil marca mais um trágico episódio de criminalização dos movimentos sociais em especial do movimento estudantil. A polícia civil tem atuado a mando dos empresários do transporte coletivo e do governo. Aos governos estadual e municipal não interessam solucionar a crise do sistema de transporte da capital nem reconhecer o direito a população ao transporte coletivo digno, como direito de todo o cidadão a uma cidade mais humana.Exigimos a imediata libertação de todos os presos políticos do estado de Goiás que estão sendo ilegalmente caçados pelos órgãos de segurança, que deveriam servir à população, e não defender os interesses de um grupo de empresários e seus sócios nos governos estaduais e municipais.Lutar não é crime!Abaixo a repressão aos lutadores sociais!Liberdade imediata aos estudantes!
  • Ditadura em Goiás! Liberdade aos presos políticos de Marconi Perigo! Mais de 20 estudantes foram presos essa noite por protestarem contra o aumento da passagem de ônibus. Hoje de manhã outros populares foram presos por motivo semelhante. Esse é o Estado criminalizando a luta! Enquanto bicheiros e assassinos ocupam lugares de destaque no governo do estado, estudantes e pessoas que lutam são brutalmente perseguidos. Enquanto políticos vão receber passagens aéreas estudantes são presos. Simplesmente revoltante! 20 prisões políticas em Goiás! Penso que todos os que lutam por mudanças em Goiás precisam apoiar esses presos políticos. Chegou a hora do iniciar a campanha de solidariedade contra essas prisões. Liberdade aos presos políticos de Marconi Perigo! 
  • (In)justiça mais uma vez mostrou sua truculência para com a mídia independente. O jornalista Gabriel Vilela, integrante do coletivo de mídia "desneuralizador", foi preso ontem na manifestação da Praça “A”. Se fossem honestos, os agentes repressivos diriam que a prisão é uma tentativa de silenciar os jornalistas sérios de Goiânia. Intimidar o jornalismo combativo é também buscar o silenciamento dos movimentos sociais. Além disso, a prisão de Gabriel Vilela ocorre justamente no dia anterior ao aniversário dele, ou seja, uma ação vingativa por parte dos agentes oficiais. Que não nos intimidemos, mostraremos que em Goiás não há espaço para CORONEL. É bom lembrar que esse filme é uma repetição de episódios passados... Basta lembrar que o jornalista Heitor V. também esteve preso no dia do aniversário, isso por apoiar as lutas sociais. Que os jornalistas sérios comecem a se manifestar! Ontem levaram Heitor, hoje Gabriel e amanhã?! Que as ruas e os jornais não deixem esse fascismo proliferar.
  • Galera ontem em Goiânia um colega de curso de Jornalismo na UFG, foi preso enquanto gravava um vídeo para o canal Desneuralizador. Ele e outros três camaradas foram detidos, encaminhados para a DRACO (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) e agora de manhã encaminhados para a CPP em Aparecida de Goiânia.Um absurdo, porque o indivíduo estava trabalhando enquanto jornalista, registrando a revolta popular no Terminal da Praça A, quando foi sumariamente preso. Dentre as acusações está impelido para o Gabriel, o crime de Aliciação de Menores, Dano Qualificado e Dano Qualificado, sendo que o mesmo estava somente com uma câmera em mãos! Não podemos aceitar que jornalistas e qualquer outra pessoa sejam presas e encaminhadas para o presídio, por lutar contra o preço de 3,30 no transporte e por liberdade!
  • Ontem, eu encontrei pela manhã na UFG, o Gabriel Cunha Vilela, estudante que tem junto com o grupo do Desneuralizador filmado e produzido vídeos sobre praticamente todas as manifestações sociais ocorridas em Goiânia. O trabalho autônomo e voluntário desse grupo é sensacional e ontem eu o cumprimentava justamente pela contribuição que eles forneciam à produção de documentação histórica que jamais seria produzida sem o trabalho deles. Hoje, eu acordo com a notícia de que ele foi preso enquanto fazia a cobertura de uma manifestação espontânea ocorrida no terminal. Só pra lembrar, a polícia está atrás dos materiais de vídeos que esse grupo produz há muito tempo. Aquele incidente que eu narrei aqui ocorrido na porta da faculdade de Educação, em que a polícia havia abordado um casal de estudantes, tinha ocorrido justamente com o Gabriel. Foi ele que foi abordado pela polícia. E mais, ele e o garoto que filmou a abordagem (e, que também foram filmados pelo PM de forma intimidadora), os dois, sim, os dois filmados, foram presos ontem. Coincidência????
  • Eu, indignada com tanta ação desprezível por parte desse velho ESTADO, estudantes, a força dessa REPÚBLICA, é horrivelmente massacrado pela DITADURA dos gestores desse país de faz de conta. Simplesmente pelo fato de manifestar,por levantarem-se contra as tantas lacunas q o ESTADO falido deixa em nossas vidas.Sou cidadã e exijo justiça a tanta impunidade q esse Estado vem transbordando.
  • Para quem não sabe ainda, essa polícia fascista mais uma vez mostrou que eles são realmente capachos do governo. nesse momento o Gabriel Cunha Vilela do coletivo Desneuralizador mídia independente, está preso por filmar as manifestações em Goiânia. isso é um absurdo além de tudo a policia está tentando incrimina-lo por coisas que nunca fez.... LIBERDADE JÁ.
  • Gabriel!.. Guerreiro!.. Do povo brasileiro!Liberdade a todos os presos políticos e ao Gabriel, mestre na mídia independente de Goiânia (Desneuralizador), que busca sempre mostrar a verdade da luta social. Hoje também fui detido com mais de 19 camaradas sendo 15 deles do DCE da UFG e fomos encaminhados para a DRACO, recebemos uma intimação para voltar a Delegacia para depor (o quê? Eu não sei), tivemos um aparato policial que eu nunca tinha visto antes, extremamente truculenta e com mais de 20 p2 numa manifestação pequena. É visível a tentativa de criminalizar o movimento, é visível o despreparo e o exagero do chefe de segurança do estado e é visível que as manifestações só vão aumentar!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA DO DIA 25/02/2015 + INFORMES + DISCUSSÕES + IMAGENS.

1- INFORMES DA ASSEMBLEIA:

PANFLETO INFORMATIVO
Foi distribuído um panfleto informando o novo contrato jurídico do movimento. O modelo entregue foi outro, mas o texto é o mesmo. Segue abaixo: 


Acesse o arquivo em Word para imprimir e entregar aos seus colegas de trabalho clicando AQUI

VOTAÇÃO DA DERRUBADA DO VETO DO PREFEITO
CCJ APROVA EMENDA DA RETROATIVIDADE PARA SERVIDORES 25/02/2015

Por três votos favoráveis contra um contrário, a comissão entendeu que o veto fere a Constituição Federal e direitos adquiridos pelos servidores...PARA LER A NOTÍCIA COMPLETA CLIQUE AQUI
a votação acontecerá na terça-feira, 03/03/2015, no período matutino, na Câmara Municipal de Goiânia.

PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS
Alguns colegas têm sofrido perseguição política por parte de diretores (as) e da SME. Durante a greve foi aberta uma sindicância contra os companheiros Antônio Gonçalves e Valmer Medeiros sob os motivos mais esdrúxulos, o que evidencia a perseguição. A sindicância foi encerrada e agora pode ser instaurado um processo administrativo para ambos os casos.

No caso do Valmer a situação é mais grave: juntaram várias atas feitas com o objetivo de intimidá-lo e o afastaram provisoriamente da escola em que ele estava lotado, sob justificativa de que isto era preciso ser feito para que a SME averiguasse os fatos relatados em Atas. O acesso a estas atas foi negado ao professor Valmer, o que demonstra a falta de transparência em relação ao processo. Sua defesa está sendo realizada pelos advogados do SIMSED.

Outro caso de perseguição, inclusive denunciado na imprensa em programa ao vivo, foi vivido pela Ex-apoio Ângela Souza. Esta servidora, que tinha mais de dez anos como apoio e era respeitada pelos trabalhadores da educação, foi afastada de seu cargo sob a justificativa de que “não era de confiança da SME”. Isto deixa claro que a SME persegue, expulsa e reprime os servidores que tentam realizar seu trabalho de maneira democrática em todos os níveis.
Todos sentem nas escolas e CMEIs a política autoritária da SME que, em alguns casos, são reproduzidas por diretores que se curvam ou se acomodam diante do autoritarismo. Mas a categoria não se intimida e continua a lutar contra a opressão. Os casos de assédio moral e perseguição podem ser levados ao conhecimento da coordenação jurídica do SIMSED para que as providências legais sejam tomadas. Telefones no panfleto postado acima.

manifestação contra o aumento da passagem

MANIFESTAÇÃO CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM
PONTO DE CONCENTRAÇÃO: PRAÇA UNIVERSITÁRIA

DIA 26 DE FEVEREIRO, 17H00MIN.
OBJETIVO: LUTAR CONTRA O AUMENTO ABUSIVO DA PASSAGEM DE ÔNIBUS!

LINK DO EVENTO: CLIQUE AQUI 

2- DISCUSSÕES DA ASSEMBLEIA

Foram feitas várias denúncias sobre a situação de calamidade das escolas e CMEIS da RME de Goiânia. As principais delas:

· Falta de professores nas escolas de TODAS as áreas;
· Falta de administrativos nas escolas e CMEIS;
· Falta de auxiliares de atividades educativas;
· Servidores que dobraram ou fizeram contrato e não receberam (ano passado);
· Péssimo lanche nas escolas e CMEIS;
· Péssimas condições de trabalho nas escolas de tempo integral;
· Tentativa de imposição do dia reposição da paralisação por parte da SME;
· Não pagamento dos benefícios garantidos por lei (antigas e novas demandas);
· Administrativos parando as instituições;
· Não houve reunião de negociação este ano;

3- DELIBERAÇÕES DA ASSEMBLEIA:

·AO FINAL DA ASSEMBLEIA FIZEMOS UMA MANIFESTAÇÃO NA SME E PROTOCOLAMOS UM OFÍCIO EXIGINDO UMA AUDIÊNCIA COM A PREFEITURA.


. CATEGORIA DECIDIU NÃO ENTRAR EM GREVE AINDA, MAS MARCAR UMA OUTRA ASSEMBLEIA COM PARALISAÇÃO GERAL E INDICATIVO DE GREVE PARA O DIA 18 DE MARÇO, AS 8:00, NA SME GOIÂNIA;

· MOBILIZAR AS ESCOLAS E CMEIS PARA ADERIR A PRÓXIMA PARALISAÇÃO E COMPARECER A ASSEMBLEIA;

· COMPARECER A VOTAÇÃO DA DERRUBADA DO VETO DO PREFEITO NA CÂMARA MUNICIPAL NA TERÇA-FEIRA, 03/03/2015, AS 9:00.

· REUNIÃO DO SIMSED/COMANDO DE LUTA NO DIA 07/03/2015 (SÁBADO) NA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UFG, AS 14:00 

Assim, segue o calendário com nossas próximas ações.

4- PRÓXIMAS AÇÕES DO MOVIMENTO (CALENDÁRIO):

· 03/03/2015 – ACOMPANHAR A VOTAÇÃO PARA DERRUBADA DO VETO DO PREFEITO ÀS EMENDAS DO PROJETO DA DATA-BASE;
HORÁRIO: 9:00 - LOCAL: CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA

· 07/03/2015 – REUNIÃO DO SIMSED/COMANDO DE LUTA;
HORÁRIO: 14:00 – LOCAL – FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UFG

· 18/03/2015 – PARALISAÇÃO GERAL NA REDE: ASSEMBLEIA COM INDICATIVO DE GREVE
HORÁRIO: 8:00 – LOCAL: EM FRENTE A SME GOIÂNIA

5- IMAGENS DA ASSEMBLEIA

 















segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

DELIBERAÇÕES DA REUNIÃO DE SÁBADO, 21/02: ATÉ A ASSEMBLEIA COMPANHEIROS!

Seguem abaixo as principais deliberações e informes da reunião ocorrida no sábado (21/02/2015) na Faculdade de Educação da UFG:
Pauta: Situação jurídica e de finanças


A partir do dia 1° de março, o SIMSED oferecerá atendimento jurídico para os trabalhadores da Rede Municipal de Educação de Goiânia. Fechamos um contrato com o Drº Hugo e Drª Fernanda, advogados da ABRAPO (Associação Brasileira dos Advogados do povo). Para os colegas que são associados e contribuem regularmente com o SIMSED a consulta será GRATUITA. Já para os colegas que não são associados, será cobrada uma taxa de consulta de R$ 25,00 para administrativos e auxiliares e de R$ 50,00 para professores.Além disso, os honorários das causas terão preço reduzido.

Os advogados também acompanharão os processos coletivos (como a multa de R$1.600.000,00), os processos de perseguição e os processos coletivos que podemos fazer de hoje em diante.

Como isso implica custos, assim como a realização de atos e eventos, assembleias, panfletos, cartazes, banners e etc, precisamos de mais gente fazendo contribuição de maneira fixa. Assim, disponibilizamos novamente o passo a passo para adesão na mesada no Banco do Brasil e na Caixa.

 
PASSOS PARA AGENDAR MESADA NA CAIXA:
1. TRANSFERÊNCIA
2. CONTA CORRENTE OU POUPANÇA
3. PROGRAMAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE VALORES
4. PREENCHER OS DADOS:
AGÊNCIA: 2256 OPERAÇÃO: 003 CONTA: 2053-5
5. QUANTIDADE DE MESES - DATA DO PRIMEIRO - DÉBITO VALOR

PASSOS PARA AGENDAR MESADA NO BANCO DO BRASIL

1. PAGAMENTOS/TRANSFERÊNCIAS
2. TRANSFERÊNCIAS|
3. CONTINUA
4. OPÇÃO - MESADA
5. AUTORIZAÇÃO
6. AGÊNCIA 3607-2 - CONTA: 43107-9 - DATA: 01/03/2015
VALOR: (quanto puder, sugerimos R$20,00 para professor, R$ 15,00 para auxiliares e R$10,00 para administrativos)
Periodicidade: “1” – Mensal
7. Prazo: (pode ser cancelado a qualquer momento, assim, pode ser deixado em branco)

Foi discutida também a situação dos estudantes presos na manifestação contra o aumento da passagem. 
Foi aprovada uma feita uma doação aos estudantes presos no protesto contra o aumento da passagem de sexta-feira, 20/02. Além disso, como foi estipulada fiança de R$3.000,00 para cada um dos dois manifestantes, disponibilizamos a conta do SIMSED para que as pessoas possam prestar sua contribuição e solidariedade em prol da liberdade destes companheiros que lutam contra o aumento da passagem.

BANCO DO BRASIL
Agência 3607-2 conta corrente 43107-9
CAIXA ECONOMICA FEDERAL
Agência 2256 conta 2053-5 op 003


Pauta: Assembleia de quarta-feira, 24/02/2015

Foram organizadas as funções.
Foram discutidas as formas de divulgação.Temos o cartaz em formato A4 (duas partes) para facilitar a divulgação. Ele também pode ser encontrado no grupo do comandodluta no Facebook.
Clique AQUI para fazer o download do cartaz em duas partes (A4) para fixar junto.
Clique AQUI para fazer o download do cartaz em Imagem A3
Logo abaixo está o cartaz da nossa próxima assembleia do dia 25 de fevereiro de 2015.


Pauta: Perseguições políticas e autoritarismo da SME

Foram discutidas algumas situações de perseguição da SME que serão levadas ao conhecimento da assembleia para discutirmos reações.



Pauta: Veto do Prefeito ao retroativo e a extensão da data base aos outros administrativos de Goiânia
Acompanhar a votação na Câmara Municipal. Estará na CCJ na quarta, portanto deve ir a votação na quinta.

APOIO A LUTA CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM E AJUDA AOS ESTUDANTES PRESOS


O SIMSED apoia a luta contra o aumento da passagem de ônibus e se solidariza com os estudantes presos durante a manifestação. Lembramos a todos que em 2013, quando se iniciaram as lutas contra o aumento da passagem que levaram as manifestações de junho, o simsed já manifestava seu apoio a luta contra os barões do transporte público. Confira o a nota de 2013 ao final desta postagem ou clicando AQUI.  

Segue abaixo a nota de apoio a luta em 2015:

Nota de apoio à luta contra o aumento da passagem

O SIMSED manifesta aqui todo seu apoio à juventude combativa de Goiânia, que se soma à juventude de todo o país, que tem dado exemplo e demonstrando, incansavelmente, que não temem a repressão e não aceitam de forma nenhuma as injustiças cometidas contra o povo.

Não precisamos discorrer muito para convencer nenhum cidadão deste país sobre as condições caóticas a que o Estado e todos os seus governantes – Presidenta, Prefeitos e Governadores (independente da sigla a qual estão representando, pois nenhuma delas defendem de fato os direitos do povo) - estão submetendo a grande maioria da população. O que temos presenciando é o aumento de preços frenético de serviços e produtos, como da energia, do petróleo, da água, dos impostos, dos juros, dos alimentos, das moradias, dos alugueis, do transporte “público”, entre outros itens; além dos cortes de direitos, como no caso do pacotão sobre os direitos previdenciários a que fomos presenteados logo no início do ano pelo governo federal.

Em Goiânia, ainda somos “prestigiados” com a amarga (in)governabilidade do indigno Prefeito Paulo Garcia, vulgo “Sargento Gracinha”, que tem demonstrado com suas ações o quanto abomina o povo trabalhador de sua cidade, cometendo golpes atrás de golpes sobre os direitos dos mesmo, tais como: o pagamento do retroativo dos trabalhadores da educação, a prorrogação e aprofundamento do Decreto que retira direitos trabalhistas dos servidores municipais, o calote na data base do administrativos da educação, o fechamento das UTIs , o não repasse de verbas federais à saúde pública municipal, entre tantos e quase infindáveis compromissos não cumpridos com os trabalhadores. E não podemos deixar de lembrar que ele tem mantido as ruas da cidade da forma como ele se comporta, imundamente!

Não sendo isso suficiente ainda nos deparamos com o governador do Estado, coronel Marconi Perigo, com seus planos sinistros de colocar escolas sob a gerência das OS, como fez com o HGG e o HUGO, ao invés de investir recursos públicos que seria a obrigação do Estado, optando assim a “privatização” a sua maneira, desses serviços essenciais.

Diante disso, repudiamos mais esse aumento no orçamento do trabalhador, o da tarifa do transporte, que se elevou de 2,80 para 3,30, chegando a 17, 85 percentuais, aumento esse que nenhum trabalhador no país recebeu em seus salários.

Sabemos que essa indignação soa na grande maioria dos lares de trabalhadores de Goiânia, porém, saudamos e nos solidarizamos com todos aqueles que transformaram sua indignação em ação, como fez os manifestantes do dia 20/02/2015 que foram às ruas contra o conluio entre as empresas de ônibus, a prefeitura e o estado, que tramam com esse aumento abrupto da passagem, retirar também a gratuidade do mesmo aos estudantes. Além de cometerem esse abuso, eles ainda contam com os monopólios dos meios de comunicação, para tentar colocar povo contra povo, alegando que as manifestações não representam os anseios da população, mas sim um mar de “vandalismo”, seguindo o plano de criminalização da luta popular, ocultando as ações, sistematicamente covardes da PM sobre os que lutam.

Nesta manifestação, dois estudantes foram presos, e se somam aos tantos encarcerados neste país, desde janeiro na luta contra o aumento do transporte público. Repudiamos toda essa perseguição política e exigimos a liberdade imediata de todos eles.

Repudiamos o vandalismo de Estado que utiliza a força policial e poderio econômico para massacrar a classe trabalhadora em prol do capital e das grandes empresas do setor privado. Repudiamos o vandalismo praticado pelas grandes empresas que transformam o transporte público em mercadoria com a conivência dos governadores e prefeitos. Repudiamos o vandalismo do Governo do Estado de Goiás e da Prefeitura de Goiânia que compactuam com a transformação do transporte público em mercadoria e favorecem os grandes proprietários destas empresas.

Lembramos que o estado burguês criminaliza os movimentos sociais utilizando-se da imprensa golpista. Além de criminalizar, reprime manifestações legítimas e prende trabalhadores e estudantes que lutam contra a precarização e mercantilização do transporte público.

Diante disso, o SIMSED conclama a todos os movimentos genuinamente populares, a se solidarizarem com esses lutadores. Prestamos apoio aos dois estudantes presos na manifestação ocorrida na sexta-feira, 20/02/15 e que são obrigados pela (in)justiça a pagar uma fiança que foi estipulada em R$ 3000,00 para cada um – tamanha ironia, sendo que os mesmos lutavam contra o aumento 50 centavos, o SIMSED fará uma colaboração financeira e disponibilizará a sua conta para todos que queiram contribuir com os colegas que estavam colocando em prática toda a indignação que tem nos acometidos a algum tempo.
O SIMSED disponibilizou suas contas para contribuições:
BANCO DO BRASIL
Agência 3607-2 conta corrente 43107-9
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Agência 2256 conta 2053-5 op 003
 


A ABRAPO (Associação Brasileira dos Advogados do povo) também publicou uma nota a respeito das situações ocorridas na manifestação:

NOTA DE REPÚDIO AO MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL EM GOIÁS

No dia 20 de fevereiro de 2015, ocorreu em Goiânia a primeira manifestação do ano contra o aumento da passagem de ônibus. A manifestação iniciou por volta das 18 horas, com cerca de 800 pessoas, com objetivo de convocar a população goianiense para juntar-se à manifestação, bem como mostrar para toda a cidade que o povo está indignado com o abusivo aumento da tarifa!

Quando a manifestação se aproximava do seu objetivo principal, dialogar com a população do Terminal Praça da Bíblia, a Polícia Militar já havia montado um cerco ao terminal, impossibilitando que a manifestação cumprisse seu justo objetivo. Todavia, o povo, soberano, persistiu em cumprir seu objetivo ocasionando uma violência brutal por parte da PMGO, que dispersou a manifestação por meio de bombas de gás lacrimogênio, balas de borracha e muita violência.

A violenta ação da Polícia Militar ocasionou em uma profunda revolta generalizada dos manifestantes. Quando se verificou que um carro da TV Serra Dourada (filiada ao SBT) fora danificado pela revolta de alguns manifestantes, o monopólio da grande mídia se apropriou do fato para criminalizar o justo movimento contra a abusividade do preço da passagem de ônibus. A grande mídia, portanto, exigiu que a PM punisse os “responsáveis” pelos danos. Então, de forma arbitrária e sem provas da autoria dos fatos, dois manifestantes foram presos, sendo um violentamente arrastado pela polícia à paisana, causando-lhe várias esfoliações.

No 1º Distrito Policial, a TV Serra Dourada já havia gravado entrevista com o Delegado de plantão, exigindo que este arbitrasse uma fiança arbitrária, imputando aos dois manifestantes detidos uma fiança de R$ 3.000,00 cada. Como os manifestantes não tinham como custear tal valor, permaneceram presos, sendo que, no meio da madrugada, já no dia 21/02, foram transferidos para o complexo da Polícia Civil, na DRCI, situado no setor Cidade Jardim.

Por volta das 12 horas do dia 21/02, advogados e militantes da ABRAPO, dirigiram-se à DRCI para colher documentação necessária para impetração do pedido de habeas corpus aos manifestantes detidos, quando foram surpreendidos que esses seriam ouvidos novamente por outro delegado, da DRACO. Ao conversar com o delegado, informou que o referido depoimento não se tratava do caso que lhes eram imputados na manifestação do dia anterior, mas sim que eles seriam ouvidos como testemunhas de uma investigação a ser feita. Questionado sobre o fato da referida investigação, o delegado simplesmente informou que ele estaria investigando uma suposta organização para promover os aludidos “atos de vandalismo” nas manifestações.

Ora, não se pede para ser testemunha de fatos genéricos, deve se ouvir uma testemunha para saber se presenciou ou não um fato determinado. Todavia, o que ocorreu na DRCI foi uma tentativa de a Polícia Civil colher alguns indícios de lideranças das organizações populares de Goiânia, foi clara sua intenção de saber se os ativistas presos pela “operação 2,80”, realizada em 2014, estariam por trás das ações violentas em protestos. Ou seja, arma-se o cerco para que aconteça em Goiânia algo similar ao que aconteceu no Rio de Janeiro, onde o ativista Igor Mendes foi preso, e a ativista Sininho e Moa tiveram sua prisão preventiva decretada, por simplesmente, participarem de organizações populares que conduziram as massas a protestar.

Portanto, a Associação Brasileira dos Advogados do Povo vem a público, repudiar a criminalização dos movimentos populares em Goiânia e em todo o Brasil. A única resposta que os movimentos populares, do campo e da cidade, recebem é mais repressão e violência. Ignoram-se os direitos do povo para criminalizar todos que se organizam contra a ordem social imposta em nosso país!

PELO FIM DE TODOS OS PROCESSOS POLÍTICOS DE GOIÂNIA E TODO O BRASIL!

LUTAR NÃO É CRIME!


 Texto de "frente de luta GO" sobre a manifestação:

"Estivemos na 1ª Manifestação da Frente De Luta Go contra o aumento de 50 centavos na tarifa do transporte público em Goiânia. A danada saltou de R$2,80 para R$3,30 e está entre as 3 mais caras do país. Uma bandeira da Palestina tremulava nas mãos dos manifestantes que caminhavam e cantavam na vanguarda da marcha quando, nas imediações do Terminal da Praça da Bíblia, as bombas brucutus da PM começaram a chover sobre a juventude combativa de Goiânia. Não tardaram as lágrimas nos olhos, a ardência na garganta, a sensação de sufocamento, tudo cortesia desse entulho autoritário que nos legou a Ditadura Militar - a PM - e que viola cotidianamente a liberdade de expressão e manifestação na pólis, atirando bombas tóxicas de (d)efeito moral, em nome da "ordem" e "segurança". Cada bomba de gás lacrimogêneo custa mais de 1.000 reais; cada vez que uma delas explode, é um leito a menos nos hospitais, um computador a menos nas escolas, um indignado a mais pronto a apedrejar o Choque como os palestinos fazem contra os tanques de Israel. Estávamos lá, professores universitários e estudantes, cinegrafistas e jornalistas, punks e Black Blocs, militantes de partidos de esquerda e vendedores de algodão-doce e pipoca, e todos - manifestantes e testemunhas - foram brindados com uma chuva de chemical warfare, cortesia do Marconi, quando chegavam ao terminal. Cof, cof! "Protestar não é crime" e "Pelo direito de livre manifestação" eram algumas das palavras-de-ordem carregadas a desfilar pelas ruas. Entre os gritos entoados em coro estavam: "Se não abaixar, o pau vai quebrar!", e o clássico punk da banda goiana Señores: "Recua, polícia, recua! O poder popular está na rua!" A mídia burguesa pode até armar seu barraco clichê e dizer que está em questão uma guerra entre os vândalos e depredadores, de um lado, e os protetores heroicos da ordem pública, de outro. A Tv Anhanguera, a Globo de Goiás, foi previsivelmente patética em sua reportagem, criminalizadora dos manifestantes e que bate palmas para a truculência policial. Hoje, a juventude radicalizada de Goiânia, empunhando bandeiras vermelhas do MEPR, camisetas do Che Guevara e do Bob Marley, portando dreadlocks e skates, demandava ser ouvida em sua revolta. Às dúzias erguiam os dedos-médios e bradavam impropérios para o helicóptero sinistro da PM que voava baixo ao redor de um abutre solitário. Uma ou outra pedrada foi dada, de fato, no banco Santander da Av. Anhanguera, mas que não passou de um arranhão, que não trará dano sério nenhum à mega-corporação. Aliás, poucos dias após a revelação do escândalo HSBC com os leaks suíços, é mais compreensível do que nunca que a fúria popular - pelo menos dos elementos mais bem-informados sobre as maracutaias de nosso capitalismo global - volte-se contra bancos privados mafiosos. Alguns lixos foram incendiados, algumas toscas barricadas foram improvisadas - amostras do ímpeto combativo de parte dos manifestantes. Um carro da imprensa - do SBT, se não me engano - foi capotado, um sinal de que o conservadorismo, o fascismo e o mandonismo tão comuns na mídia comercial de massas também irá sofrer represálias nas ruas, como ocorreu nas Jornadas de Junho de 2013, caso insista em criminalizar manifestantes e aplaudir quando a PM desce o pau. "Não pago, não pagaria! Transporte público não é mercadoria!", entoou a manifestação diante do Centro de Aulas da UFG (Universidade Federal de Goiás). Na real, é isso: o que está em questão é todo um sistema econômico mafioso, que transforma todos os serviços públicos em mercadoria, que insiste em aplicar a cartilha tucana da Privataria. Os interesses de uma elite de empresários vão prevalecendo sobre os direitos-de-ir-e-vir da massa da população; alguns enchem o rabo com milhões de dólares, que grandes bancos depois ajudam a esconder na Suíça ou sei lá onde, enquanto a gente anda espremido no Eixão, como sardinhas numa lata de ferro tamanho Busão... É um pouco de tudo isto, e muito mais que ainda não tive fôlego de narrar neste texto corrido, o que está documentado neste filme, registrado hoje nas ruas nuas e cruas, editado na correria e urgência Ninja, e que publico a fim de pôr em comum algumas imagens dos agitos políticos que têm tomado o espaço público em Goiânia neste começo de 2015. O doc foi batizado brilhantemente pela Gisele Toassa como "Os Palestinos da Passagem". CLIQUE AQUI PARA ASSISTIR AO VÍDEO

Na manifestação dessa sexta (20/02) dois estudantes foram detidos. Um deles já teve sua fiança paga e foi liberado. O outro, por decisão familiar, recusou qualquer apoio jurídico ou financeiro que o movimento pudesse oferecer. Ele ainda não foi liberado, e diante dessa posição, ficamos de mãos atadas. Ainda sim continuaremos com a campanha para a arrecadação dos valores necessários (3.900) para fiança de um, e reembolso à família do outro. Quem puder ajudar com qualquer quantia, pode depositar em alguma dessas contas abaixo, ou levar na próxima reunião que será QUARTA-FEIRA, 25/02, as 18:30 no MUSEU ANTROPOLÓGICO."

Contas do SIMSED para contribuições:

BANCO DO BRASIL
Agência 3607-2 conta corrente 43107-9
CAIXA ECONOMICA FEDERAL
Agência 2256 conta 2053-5 operação: 003 









NOTA DE APOIO AO MOVIMENTO FRENTE CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM DO TRANSPORTE COLETIVO ESCRITA EM 2013, NO INÍCIO DAS MANIFESTAÇÕES CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM

A direção do Sindicato Municipal dos Servidores da Educação de Goiânia – SIMSED, manifesta seu apoio a Frente Contra o Aumento da passagem do transporte coletivo de Goiânia e região metropolitana.

Já fazem 4 décadas que as empresas de ônibus, principalmente Rápido Araguaia e HP, exploram inescrupulosamente o transporte coletivo da grande Goiânia. O que deveria ser um direito do cidadão se tornou um serviço de péssima qualidade e muito lucrativo para as empresas. O usuário é transportado em condições piores do que os bois que seguem para o matadouro. Nos ônibus lotados, o usuário se aperta, se machuca, chega atrasado em seus compromissos, etc. Os terminais não suportam o tráfego de pessoas e estão em péssimas condições de higiene. Enfim, uma série de violências cometidas. E quando os usuários se cansam de todas essas injustiças e demonstram sua ira (justa ira como diria o professor Paulo Freire), são chamados pela mídia e pela polícia de baderneiros, vândalos. Muitos veem os manifestantes desta forma porque compreendem a situação pegando a parte pelo todo, a aparência pela essência. “Temos a barriga de pobre e a cabeça de rico”. “Os oprimidos tem dentro de si a visão de mundo dos opressores”, diria Freire novamente.

E os empresários do transporte coletivo, são o quê? Bem feitores, empreendedores, homens de visão? Vejamos. O Grupo Odilon Santos, dono da Rápido Araguaia, é proprietário também dos sorvetes Creme & Mel, Cremyto, Viação Goiânia, Transbrasiliana, Araguarina, água mineral Pura & Leve, Moto For, além de construir edifícios residenciais e de explorar serviços de transporte em países africanos, como Angola. Já a HP, é dona da Pinauto e da Imperial Bebidas, que produz o Goianinho, Tampico, La Fruta entre outros. Isso sem citar o patrimônio físico dos empresários (imóveis, carros, etc). Pergunta: de onde a HP e a Odilon Santos tirou o dinheiro para comprar tantas empresas? À custa do sofrimento diário dos usuários do transporte coletivo. Isso não é VIOLÊNCIA? Não, são as relações capitalistas de mercado, alguém poderia dizer. E o que é o sistema capitalista se não um desfile de horrores e atentados de toda ordem contra a humanidade.

Desde 2008 que o ISS, imposto municipal, e a CMPF, tributo federal, não são mais cobrados das empresas de transporte coletivo da grande Goiânia, mas ainda são computados na composição dos custos para definir o valor da passagem. Os quatro representantes da prefeitura de Goiânia na Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo, incluindo o prefeito, votaram a favor do reajusta da passagem para três reais. Será que o prefeito Paulo Garcia não sabia que o município não estava recolhendo o ISS? A mesma pergunta pode ser feita ao governador Marconi Perillo, pois os dois representantes do estado também votaram a favor do aumento. O fato é que os políticos recebem doações das empresas de ônibus nas campanhas eleitorais.

Assim, os protestos da população não são atos criminosos, ações de violência gratuita como alardeia a grande mídia, governantes e empresários. As ações são repostas ao massacre que os usuários sofrem no transporte coletivo. Se o governo e os empresários querem que a onda de protestos cesse, primeiro precisam respeitar o usuário como cidadão que tem o direito constitucional de ir e vir. Mas por enquanto não estão dispostos a agir assim, pois precisam manter as altas taxas de reprodução do capital. E o que fazem então? Ora, Gramsci já dizia que quando o consenso não dá mais conta de garantir a estabilidade social, as classes dirigentes apelam para a repressão, que venha o braço armado do sistema: Rotam, Choque e mais violência: bombas, tiros, socos, cavalaria. O movimento resiste com utensílios rústicos e artesanais. Se a História servir de exemplo, numa correlação de forças similar, nicaraguenses e vietnamitas expulsaram as tropas yankes de seus países. E isso não é um reles discurso de esquerdistas radicais. O governador do estado de São Paulo Geraldo Alckmin, que, convenhamos, nunca foi um homem de esquerda e não é de fazer protesto, manifestações, assim disse semanas atrás: "o povo não sabe de um décimo do que se passa contra ele, se soubesse ia faltar guilhotina para cortar a cabeça de tanta gente que explora esse sofrido povo brasileiro". Seria apenas demagogia?

Posto isso, a direção do SIMSED apoia os protestos e a luta contra o aumento da passagem da tarifa de ônibus da região metropolitana de Goiânia e saúda a juventude, que está encabeçando a Frente Contra o Aumento, com a sentença de um velho combatente: Ser jovem e não ser revolucionário é uma contradição genética (Che Guevara).